A INFLUÊNCIA DE FATORES SÓCIO-DEMOGRÁFICOS NA PREMATURIDADE

A INFLUÊNCIA DE FATORES SÓCIO-DEMOGRÁFICOS NA PREMATURIDADE
QR Code

A INFLUÊNCIA DE FATORES SÓCIO-DEMOGRÁFICOS NA PREMATURIDADE

Este estudo tem como objetivo investigar a relação entre fatores sócio-demográficos e do apoio social na prematuridade. Trata-se de um estudo caso-controle, realizado em um hospital maternidade da rede pública municipal do Rio de Janeiro, no período de 27 de janeiro à 3 de abril de 2009. A população...

Full abstract

Saved in:
Journal Title: Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
Main Author: Audrey Fischer
Other Authors: Enirtes Caetano Prates Melo;
Elaine da Costa Guimarães
Palabras clave:
Traslated keyword:
Language: Portuguese
Get full text: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/805
Resource type: Journal article
Source: Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online; Vol 2, No Suplemento (Year 2010).
DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2010.v0i0.%p
Publisher: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Usage rights: Reconocimiento - NoComercial - SinObraDerivada (by-nc-nd)
Subjects: Applied Sciences --> Nursing
Abstract: Este estudo tem como objetivo investigar a relação entre fatores sócio-demográficos e do apoio social na prematuridade. Trata-se de um estudo caso-controle, realizado em um hospital maternidade da rede pública municipal do Rio de Janeiro, no período de 27 de janeiro à 3 de abril de 2009. A população estudada constituiu-se de puérperas de baixa renda que se encontravam no período pós-parto mediato. Foram selecionados recém-nascidos numa proporção de dois controles para um caso (2:1), sendo então entrevistados 108 casos e 228 controles. Ao analisar o perfil das mulheres que residem no Rio de Janeiro que utilizam a rede pública de saúde, verificou-se que a idade das participantes variou entre 14 e 45 anos (mediana: 24 e desvio-padrão: 6,66); a maior proporção de puérperas concentrou-se na faixa etária entre 20 e 34 anos. Quando comparadas, as puérperas tiveram bebês prematuros relataram com uma frequência 6% maior nunca poder contar com o apoio da mãe e 5,4% maior terem chegado a maternidade sozinhas. 60% das mulheres que não fizeram pré-natal e 54,3% das mulheres que fumaram durante a gravidez pontuaram abaixo de 86 em apoio emocional, material e informativo e 73,3% e 63% pontuaram abaixo de 86 em apoio de interação social positiva, respectivamente. Conclui-se existe uma necessidade crescente de estudos que investiguem a prematuridade e seus fatores relacionados. Pela condição especial da gestação, era esperado que os níveis de apoio social encontrados fossem altos. Os resultados demonstram que entre as mulheres entrevistadas, as que buscaram comportamentos positivos para o desfecho da gravidez, como ir a consultas de pré-natal ou não fumar, apresentavam maiores níveis de escore de apoio social e relataram desejar a gravidez. Ter o apoio de amigos e parentes parece ter um efeito positivo, mesmo quando fatores fisiológicos como gestação múltipla estão presentes.