The daily life of adults and elderly after myocardial revascularization

The daily life of adults and elderly after myocardial revascularization
QR Code

The daily life of adults and elderly after myocardial revascularization

Objetivo: descrever as evidências sobre as necessidades de cuidado e fatores que influenciam no cotidiano dos pacientes após a cirurgia de revascularização miocárdica. Métodos: Revisão integrativa da literatura, com coleta dos dados nas bases Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Sa...

Full abstract

Saved in:
Journal Title: Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
Main Author: Claudia Regina Maldaner
Other Authors: Margrid Beuter;
Caren da Silva Jacobi;
Camila Castro Roso;
Claudelí Mistura;
Margot Agathe Seiffert
Palabras clave:
Traslated keyword:
Language: Portuguese
Get full text: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/2960
Resource type: Journal article
Source: Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online; Vol 6, No 1 (Year 2014).
DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2014.v6i1.62-73
Publisher: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Usage rights: Reconocimiento - NoComercial - SinObraDerivada (by-nc-nd)
Subjects: Applied Sciences --> Nursing
Abstract: Objetivo: descrever as evidências sobre as necessidades de cuidado e fatores que influenciam no cotidiano dos pacientes após a cirurgia de revascularização miocárdica. Métodos: Revisão integrativa da literatura, com coleta dos dados nas bases Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde e Medical Literature Analysis and Retrieval Sistem Online utilizando os descritores “revascularização miocárdica” and “alta do paciente” or “atividades cotidianas” or “reabilitação” or “ajustamento social”, em janeiro de 2013. Foram analisados 12 artigos que constituíram o corpus do estudo. Resultados: Os resultados apontam que o dia-a-dia após cirurgia inclui a necessidade de mudanças no estilo de vida. As repercussões negativas da revascularização miocárdica incluem a ansiedade, depressão e acompanhamento médico e os fatores positivos a diminuição dos sintomas anginosos. Conclusão: Conclui-se que há carência de intervenções dos profissionais de enfermagem que contribuam na qualidade de vida dos indivíduos revascularizados, incentivando a autonomia na reconstrução da identidade.