Gasto energético estimado pela acelerometria comparado ao gasto determinado pela calorimetria indireta durante exercício contínuo em esteira

Gasto energético estimado pela acelerometria comparado ao gasto determinado pela calorimetria indireta durante exercício contínuo em esteira
QR Code

Gasto energético estimado pela acelerometria comparado ao gasto determinado pela calorimetria indireta durante exercício contínuo em esteira

Introdução e objetivo: Estudos utilizando acelerômetros em diferentes ambientes tem demonstrado a capacidade desta ferramenta em medir a intensidade das atividades físicas realizadas. Entretanto, ainda permanecem dúvidas quanto à confiabilidade e precisão do aparelho em algumas atividades. Sendo ass...

Full abstract

Saved in:
Journal Title: RBPFEX. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
Main Author: Waynne Ferreira de Faria
Other Authors: Jéssica Sartini Sena;
Renan Camargo Corrêa;
João Paulo de Farias;
Géssika Castilho dos Santos;
Rui Gonçalves Marques Elias;
Antonio Stabelini Neto
Palabras clave:
Language: Portuguese
Get full text: http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1034
Resource type: Journal article
Source: RBPFEX. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício; Vol 10, No 60 (Year 2016).
Publisher: Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício
Usage rights: Reconocimiento - NoComercial (by-nc)
Subjects: Sciences --> Biology
Applied Sciences --> Reproductive Biology
Abstract: Introdução e objetivo: Estudos utilizando acelerômetros em diferentes ambientes tem demonstrado a capacidade desta ferramenta em medir a intensidade das atividades físicas realizadas. Entretanto, ainda permanecem dúvidas quanto à confiabilidade e precisão do aparelho em algumas atividades. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi comparar o gasto energético mensurado pela calorimetria indireta e predito pela equação desenvolvida para o acelerômetro Actigraph durante exercício físico contínuo em esteira. Métodos: A amostra foi composta por 13 indivíduos do sexo masculino com idades entre 18 e 35 anos. O protocolo de exercício foi realizado em esteira rolante composto por quatro velocidades: 4 km/h; 6 km/h; 8 km/h e 10 km/h, com duração de 5 minutos cada estágio. As acelerações foram obtidas por meio do acelerômetro modelo Actigraph GT3X. O gasto energético predito foi calculado utilizando-se a equação estabelecida por Freedson et al. Resultados: A correlação entre o gasto avaliado por calorimetria indireta e o gasto predito estimado mediante a acelerometria apresentaram uma correlação positiva forte (r=0,908; p<0,000). Quando comparados os valores do gasto energético mensurado e predito pela equação, foi observado diferença significativa entre os métodos de avaliações na velocidade de 10 km/h (p=0,028). Conclusão: O presente estudo verificou que o acelerômetro forneceu estimativas confiáveis de gasto energético até a velocidade de 8 km/h. No entanto, na velocidade de 10 km/h seus dados subestimaram o gasto energético. ABSTRACTEnergy expenditure estimated by accelerometry compared to expenditure determined by calorimetry indirect during continuous exercise at treadmillIntroduction and objective: Studies using accelerometers in different environments have demonstrated the ability of this instrument to measure the intensity of the physical activities. However, remain uncertainty about the reliability and accuracy of this device in some activities. Thus, the aim of this study was to compare energy expenditure measured by indirect calorimetry with the estimated by equation developed for Actigraph accelerometer during continuous exercise. Methodology: The sample consisted of 13 males aged between 18 to 35 years old. The exercise protocol consisted of four speeds on a treadmill: 4 km/h; 6 km/h; 8 km/h and 10 km/h, with 5 minutes each stage. The accelerations were obtained by the Actigraph accelerometer model GT3X. The predicted energy expenditure was calculated using the equation established by Freedson et al. Results: The correlation between the energy expenditure measured by indirect calorimetry and the estimated by accelerometry showed a strong positive correlation (r=0.908, p<0.000). Comparing the values of the energy expenditure measured by indirect calorimetry and estimated by the equation, was observed significant difference between the methods of assessments at 10 km/h (p=0.028). Conclusion: This study found that the accelerometer provided reliable estimates of energy expenditure up to speed of 8 km/h. However, in the speed of 10 km/h the energy expenditure was underestimated.