Abandono afetivo: registros midiáticos da vida privada

Abandono afetivo: registros midiáticos da vida privada
QR Code

Abandono afetivo: registros midiáticos da vida privada

Este trabalho parte da curiosidade de entender como o termo abandono afetivo, que ganhou certo destaque na mídia com o assassinato do menino Bernardo Boldrini, em abril deste ano, foi enquadrado pela mídia. O objetivo dessa reflexão é apontar condições de possibilidade através das quais se possa com...

Full abstract

Saved in:
Journal Title: Lumina
Main Author: Renata Tomaz
Palabras clave:
Language: Portuguese
Get full text: https://lumina.ufjf.emnuvens.com.br/lumina/article/view/345
Resource type: Journal article
Source: Lumina; Vol 9, No 1 (Year 2015).
Publisher: Universidade Federal de Juiz de Fora
Usage rights: Reconocimiento (by)
Subjects: Social Sciences --> Communication
Abstract: Este trabalho parte da curiosidade de entender como o termo abandono afetivo, que ganhou certo destaque na mídia com o assassinato do menino Bernardo Boldrini, em abril deste ano, foi enquadrado pela mídia. O objetivo dessa reflexão é apontar condições de possibilidade através das quais se possa compreender a emergência de tal conceito. Além de pensar como sua disseminação midiática colabora para que experiências afetivas privadas circulem cada vez mais no espaço público, de modo a qualificar as demonstrações de afeto, vinculando-as a valores contemporâneos prementes. Para tanto, foram analisadas duas matérias: uma do jornal Zero Hora, que aborda os sinais de abandono afetivo no caso Bernardo Boldrini, e outra do Fantástico, que trata a condenação de um pai, pelo STF, por negligência afetiva. A análise permitiu observar fortes elementos de valorização dos investimentos afetivos na vida dos filhos, especialmente por parte do pai, identificado não só como a figura de autoridade e provisão, mas como um elemento fundamental nos processos de socialização da criança, no interior da chamada cultura terapêutica. A interpretação de que receber atenção, carinho e cuidados diários implica um direito e uma necessidade do filho, dessa forma, chancela uma compreensão que tem sua gênese nesse contexto específico, em que os indivíduos são resultado de um núcleo psicológico que precisa de investimento. Sendo assim, o abandono afetivo se configura mais do que um termo jurídico que circula nos aparatos midiáticos. Ele se constitui, antes, como sinal discursivo de uma dada cultura.