Knowledge patients receiving outpatient treatment on oral anticoagulation therapy

Knowledge patients receiving outpatient treatment on oral anticoagulation therapy
QR Code

Knowledge patients receiving outpatient treatment on oral anticoagulation therapy

Objetivo: Verificar o conhecimento de pacientes em acompanhamento ambulatorial sobre a terapia com anticoagulantes orais. Métodos: Estudo de corte transversal com abordagem quantitativa, realizado no Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco (PROCAPE) com 100 indivíduos. Utilizou-se instrumento espe...

Full abstract

Saved in:
Journal Title: Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
Main Author: Thaisa Remigio Figueirêdo
Other Authors: Monique Oliveira do Nascimento;
Maria Mariana Barros Melo da Silveira;
Christefany Régia Braz Costa;
Andrey Vieira de Queiroga;
Simone Maria Muniz da Silva Bezerra
Palabras clave:
Traslated keyword:
Language: Portuguese
Get full text: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/5162
Resource type: Journal article
Source: Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online; Vol 8, No 1 (Year 2016).
DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i1.3383-3892
Publisher: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Usage rights: Reconocimiento - NoComercial - SinObraDerivada (by-nc-nd)
Subjects: Applied Sciences --> Nursing
Abstract: Objetivo: Verificar o conhecimento de pacientes em acompanhamento ambulatorial sobre a terapia com anticoagulantes orais. Métodos: Estudo de corte transversal com abordagem quantitativa, realizado no Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco (PROCAPE) com 100 indivíduos. Utilizou-se instrumento específico de 10 questões. Foram atribuídas pontuações às respostas, posteriormente classificadas como conhecimento insuficiente, conhecimento regular e conhecimento adequado, segundo ponto de corte. A pesquisa foi aprovada por Comitê de Ética em Pesquisa, CAAE nº30622114.2.0000.5192. Resultados: Apenas 39% dos indivíduos apresentaram conhecimento adequado sobre o tratamento. Houve significância estatística nas associações do conhecimento com sexo (p=0,042), idade (p= 0,015), anos de estudo (p=0,021) e tempo médio de acompanhamento ambulatorial (p=0,010). Conclusão: A predominância de conhecimento não adequado (61%) demonstram a necessidade de implementação de estratégias educativas que favoreçam a compreensão sobre o tratamento, estimulando a adesão farmacológica e reduzindo eventuais complicações.