COMMUNICATION NO VERBAL IN INTENSIVE CARE UNITS: PERCEPTION OF NURSES

COMMUNICATION NO VERBAL IN INTENSIVE CARE UNITS: PERCEPTION OF NURSES
QR Code

COMMUNICATION NO VERBAL IN INTENSIVE CARE UNITS: PERCEPTION OF NURSES

Objetivo: compreender o significado da comunicação não verbal na assistência aos pacientes em ventilação mecânica na percepção de um grupo  de  enfermeiros intensivistas.Metodologia: pesquisa qualitativa, realizado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital público do interior de Minas...

Full abstract

Saved in:
Journal Title: Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
Main Author: Júlio César Batista Santana
Other Authors: Bianca Santana Dutra;
Roberto Carlos Lyra Silva;
Ana Flávia Rodrigues;
Thiago Henrique Pereira Nunes
Palabras clave:
Traslated keyword:
Language: Portuguese
Get full text: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/1424
Resource type: Journal article
Source: Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online; Vol 3, No 2 (Year 2011).
DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2011.v3i2.1912 1923
Publisher: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Usage rights: Reconocimiento - NoComercial - SinObraDerivada (by-nc-nd)
Subjects: Applied Sciences --> Nursing
Abstract: Objetivo: compreender o significado da comunicação não verbal na assistência aos pacientes em ventilação mecânica na percepção de um grupo  de  enfermeiros intensivistas.Metodologia: pesquisa qualitativa, realizado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital público do interior de Minas Gerais com um grupo de 7 enfermeiros. Utilizado uma entrevista contemplando a seguinte questão norteadora: “Qual a sua compreensão sobre o processo da comunicação não verbal em pacientes impossibilitados de comunicar verbalmente internados em uma UTI?” Resultados: emergiram cinco categorias: 1)Presença dos familiares: elo na comunicação não verbal favorecendo a humanização do cuidar e recuperação do paciente; 2) Equipe de enfermagem no processo da comunicação não verbal nas UTIs: dificuldades e avanços; 3) Os sentimentos do paciente incapacitado de se comunicar verbalmente; 4) Busca  de novas formas de comunicação pelo paciente e cuidadores; 5) Subestimação da compreensão da comunicação não verbal pela equipe. Conclusão: o estudo demonstrou a importância da comunicação não verbal nas UTIs, porém destaca-se as dificuldades da equipe nessa situação e que muitas das vezes subestimam as queixas não-verbais, ressalta que os familiares tem um papel fundamental nesse processo e que novos avanços nas formas de comunicação-não verbal nessas unidades precisam ser trabalhados, para favorecer a recuperação do paciente, através uma assistência integral e humanizada.